Texto do Ministro Joaquim Barbosa

Enquanto isso o povo faz protesto desordenado contra o aumento de R$ 0,20 (vinte centavos) no transporte publico……..

Em Brasília…

Ministro Joaquim Barbosa,sobre a proposta que submete ao Congresso decisões do Supremo Tribunal Federal.

Agora observem o seguinte:

 

Somos o único caso de democracia no mundo em que condenados por corrupção legislam contra os juízes que os condenaram.

Somos o único caso de democracia no mundo em que as decisões do Supremo Tribunal podem ser mudadas por condenados.

Somos o único caso de democracia no mundo em que deputados após condenados assumem cargos e afrontam o judiciário.

Somos o único caso de democracia no mundo em que é possível que condenados façam seus habeas corpus, ou legislem para mudar a lei e serem libertos.

Acredite se quiser!

Methanol 29 FS – Bel íssima Mountain Bike da Bianchi para 201 4

Foto – Robin Wilmott/Future Publishing

Essa maravilhosa MTB full suspension, com uma suspensão traseira de 100mm, montada em um sistema de duplo pivot com rolamentos, que prometem menor complacência lateral e maior durabilidade da suspensão.

Ela vem com o eixo traseiro 12×142 da Shimano, uma Caixa de centre com 73mm PF30, rotores com 160mm.

Ela vem com as seguintes opções de grupos e com as seguintes denominações: 29.1 (SRAM XX), 29.2 (XTR/XT) e 29.3 (SRAM X9) modelos vem nos tamanhos 17, 19 e 21, e pode ser vendida somente o quadro.

Bianchi

Bianchi lança a máqu ina de estrada Oltre XR2 Disc 2014, com freios a disco hidrá ulicos.

Bianchi lança a máquina de estrada Oltre XR2 Disc 2014, com freios a disco hidráulicos.

A Bianchi lançou uma bela máquina para ciclismo de estrada, com a opção de vir com freios a disco hidráulicos.

A bike também vem com a opção com freios convencionais, essa é a Oltre XR2 (sem “disc”). A bike vem equipada com Shimano Dura-Ace 9000, com rodas Fulcrum Racing Speed XLR tubulares de carbono.

Na opção XR2 Disc, a bike vira com o novo grupo da SRAM Red 22 hydraulic e componentes FSA e Vision.

Bianchi.com

BIKES MAIS MODERNAS GANHAM MERCADO

Jonathan Campos/Gazeta do Povo

José Luiz Hunger, da Hunger Bikes: “A primeira bicicleta que o usuário compra tem um perfil. Dali dois ou três anos, ele vai querer uma melhor, mais equipada”

CONSUMO

Bikes mais modernas ganham mercado

Número de bicicletas vendidas quase não muda, mas o setor está faturando mais. Motivo: o brasileiro tem comprado modelos mais caros

Publicado em 24/03/2013 | PEDRO BRODBECK

Os movimentos pró-mobilidade urbana e a popularização da bicicleta não são suficientes para aumentar a produção ou o consumo das bikes no Brasil, mas devem garantir aumento no faturamento de fabricantes e varejistas. O motivo: cada vez mais os usuários trocam as antigas “magrelas” por bicicletas mais modernas e com maior valor agregado. A mudança de perfil promete movimentar R$ 900 milhões em 2013, 10% a mais que em 2012.

Na última década, a produção nacional manteve sua média nominal histórica, de 4,5 milhões de unidades. O consumo também se mantém pouco acima das 5 milhões de bikes. O que mudou no período é o perfil das magrelas, que agora têm cada vez mais tecnologia e acessórios.

Tendência

Indústria aposta nos modelos elétricos

Uma aposta para conquistar novos clientes – e finalmente aumentar a produção – está na regulamentação das bicicletas elétricas. Ainda em fase de elaboração, os fabricantes acreditam que a adoção do modelo europeu vai ajudar no crescimento do mercado.

“É uma bicicleta sem acelerador, com cara de bicicleta, mas com a tecnologia elétrica. É um produto que pode impulsionar a indústria e o comércio a partir do ano que vem”, afirma José Eduardo Gonçalves, da Abraciclo.

As bicicletas elétricas têm um motor que funciona quando o ciclista pedala e que pode chegar a 55 km/h. A partir do momento em que for regulamentada no Brasil, a bicicleta elétrica deve custar entre R$ 3 mil e R$ 5 mil.

Em 2009, 60% do mercado era tomado por bicicletas monomarchas, o modelo mais simples possível, e 40% era de bicicletas multimarchas. Hoje o mercado é igualmente dividido, mas com tendência de domínio das bicicletas mais elaboradas para os próximos anos. Os preços da maioria dos modelos vão de R$ 250 a R$ 3 mil.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas (Abraciclo), José Eduardo Gonçalves, os usuários buscam mais conforto, desempenho e design. “A bicicleta é uma moda hoje, tem toda a opinião pública em seu favor. É barata, faz bem à saúde e não polui”, explica. “Chega a ser incoerente que, com toda esta propaganda positiva, a produção não aumente ano a ano”, afirma.

A explicação dos fabricantes para que isso não aconteça é que no Brasil já existem mais de 70 milhões de bicicletas rodando e 7% delas são trocadas ano a ano. “É uma bicicleta para cada três habitantes. É muita coisa”, conclui Gonçalves.

José Luiz Hunger, proprietário da Hunger Bikes, confirma o movimento. “A primeira bicicleta que o usuário compra tem um perfil. Dali dois ou três anos, ele vai querer uma melhor, mais equipada, mais confortável. É natural que nas compras seguintes, ele adquira um produto mais sofisticado”, afirma.

O empresário Carlos Can­cusso, da Bicicleta Mania, explica que o surgimento de novos modelos também têm atraído novos adeptos. “Com uma variedade maior, como as bicicletas híbridas mountain bikes e bicicletas dobráveis, há uma chance maior de angariar novos ciclistas”, completa.

Mais transporte

O cicloativismo também tem mudado a finalidade do uso das bicicletas. Atualmente, 50% das bikes compradas em território nacional são usadas para transporte e locomoção, de acordo com a Abraciclo. Do restante, 32% são infantis, 17% são usadas para recreação e 1%, para competição.

Exportações não resistem ao avanço chinês

O Brasil é o terceiro maior fabricante e quinto maior mercado consumidor de bicicletas, mas vê suas exportações caírem drasticamente ano após ano. De 33 mil unidades de 2006, as vendas ao exterior caíram a 2,4 mil em 2011, segundo a Abraciclo.

A queda se dá pelo domínio dos produtos chineses, que já têm 70% do mercado mundial – e avançam também sobre o Brasil. Ainda que as importações de bicicletas montadas se mantenham estáveis, o número de componentes made in China nos produtos nacionais avança. A estimativa de revendedores é de que mais de 50% dos materiais usados nas bikes brasileiras vêm do outro lado do mundo.

Para conter o movimento, o Ministério do Desenvolvimento elevou, há dois anos, a alíquota de importação de bikes, de 20% para 30%.

Já cuidamos do seu c arro e agora da sua bike também.

Ronnie,
Agora você conta com a mesma assistência do carro

também para a sua bicicleta: Porto Socorro Bike.

A Porto Seguro faz de tudo para que você possa pedalar com mais tranquilidade.

Para isso existe o Porto Socorro Bike, um serviço de assistência 24 horas exclusivo

para segurados Porto Seguro Auto1. É só ligar que um veículo de apoio ou um bike

socorrista vai até onde você estiver para fazer o conserto. Igualzinho quando você

precisa de atendimento para o seu carro.

Você conta com assistência 24 horas para:

· Pneu furado: reparo ou troca2 da câmara

de ar (aros 20″ e 26″);

· Quebra ou acidente: transporte da bike e carona até o domicílio do segurado;
· Quebra da corrente: emenda ou troca2

da corrente;

· Nova bicicleta: montagem de uma nova bicicleta, mediante apresentação de nota fiscal ou manual, mais garantia ou embalagem.
· Falta de freios: ajustes ou troca2 dos cabos e/ou sapatas (não inclui freios a disco);
Para saber mais, consulte seu Corretor, ligue 3366-BIKE (3366-2453) ou clique aqui.
1 – Somente para Porto Socorro Completo ou Porto Socorro Mais (cláusulas 33 e 35). O segurado tem direito a três chamadas durante a vigência da apólice. O serviço é exclusivo e está disponível na Grande São Paulo, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e região metropolitana do Rio de Janeiro. 2 – Em caso de troca, as peças serão substituídas por outras de uso convencional. CNPJ: 61.198.164/0001-60 – Processo SUSEP: 15414.100.233/2004-59 – Valor de Mercado e Valor Determinado. O registro deste plano na SUSEP não implica, por parte da Autarquia, incentivo ou recomendação à sua comercialização.
Acompanhe nas redes: Facilite seu dia a dia:
Porto Seguro
Facebook Twitter You tube Linkedin Orkut Instagram
Trânsito mais gentil
Facebook Twitter Orkut Chat Trânsito mais gentil
Fuja do trânsito
portovias
Conheça nossos produtos e serviços
Serviços Mobile
Portal do cliente

Emprego pro filho …

QUE TAL UM EMPREGUINHO?

O filho termina o segundo grau e não tem vontade de fazer uma faculdade.

O pai, meio mão de ferro, dá um apertão:

- Ahh, não quer estudar? Bem, perfeito. Vadio dentro de casa eu não mantenho, então vai trabalhar…

O velho, que tem muitos amigos, fala com um deles, que fala com outro até que ele consegue uma audiência com um político que foi seu colega lá na época de muito tempo atrás:

- Rodrigues!!!! Meu velho amigo!!! Tu te lembra do meu filho? Pois é, terminou o segundo grau e anda meio à toa, não quer estudar. Será que tu não consegue nada pro rapaz não ficar em casa vagabundando?

Depois de 3 dias, Rodrigues liga:

- Zé, já tenho. Assessor na Comissão de Saúde no Congresso, R$ 13.700,00 por mês, prá começar.

- Tu tá loco!!!!! O guri recém terminou o colégio, não vai querer estudar mais, consegue algo mais abaixo…

Dois dias depois:

- Zé, secretário de um deputado, salário modesto, R$ 9.800,00, tá bom assim?

- Nãooooo, Rodrigues, algo com um salário menor, eu quero que o guri tenha vontade de estudar depois….Consegue outra coisa.

- Zé, não sei se ele vai aceitar, mas tem um de assessor da câmara, que é só de R$.6.500,00…

- Não, não ainda é muito, aí que ele não estuda mais mesmo..

- Olha Zé, a única coisa que eu posso conseguir é um carguinho de ajudante de arquivo, alguma coisa de informática, mas aí o salário é uma merreca, R$ 3.800,00 por mês e nada mais….

- Rodrigues, isso não, por favor, alguma coisa de 510,00 a 600,00 ou 700,00 no máximo.

- Isso é impossível Zé!

- Mas, por quê?

- PORQUE com este salário aí eu só tenho vaga pra professor e aí precisa de CURSO SUPERIOR, MESTRADO, DOUTORADO … aí é difícil porque precisa passar em concurso!